“Retrocesso”, diz Rosângela Moro

Advogada afirmou que resultado causou “sentimento de descrença”

A advogada e esposa do ministro Sergio Moro, Rosângela Wolff Moro, comentou no início da tarde desta sexta-feira (8) a decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de que os condenados só sejam presos após esgotados todos os recursos possíveis. No texto, Rosângela afirmou que respeita a decisão tomada pela Corte mas acredita que a medida é um retrocesso.

Como parte de quem viveu os impactos da Lava Jato por cinco anos, no dia a dia da família achincalhada e sob escolta: sinto um sentimento de descrença – escreveu.

A advogada declarou ainda que entende as manifestações populares que devem se levantar após a definição no STF, e afirmou que o povo deve cobrar também do Congresso mudanças na Constituição Federal.

– Entendo perfeitamente quem irá para as Ruas porque a manifestação popular tem envergadura Constitucional. Que seja pacífica, que seja voltada para o Congresso Nacional a quem cabe ouvir a voz dos cidadãos. Se a interpretação que prevaleceu foi a de que a atual Constituição exige o trânsito em julgado, não há outro caminho a não ser mudar a Constituição – defendeu.

Rosângela também pressionou os políticos que se elegeram levantando a bandeira da Lava Jato para que tomem para si as discussões sobre o tema.

– Quem se elegeu com mera narrativa sobre apoio à Lava Jato, vai ter que mostrar a face, porque o STF jogou a discussão no colo do Congresso – completou.