Em CPI, Frota diz que dinheiro público financia ‘milícias digitais’ – Comunidade F7

Em depoimento na CPI das Fake News, o deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PSL), de quem era aliado, se beneficia de “milícias digitais nas redes sociais” para atacar adversários e que o Palácio do Planalto abriga uma equipe para propagar notícias falsas.

“Vem de dentro do Palácio do Planalto os três personagens que vieram das redes bolsonaristas e tiveram oficializadas as suas redes de ataque com dinheiro público. E quem coordena? Carlos Bolsonaro, direto do Rio de Janeiro”, disse, em referência ao chamado “gabinete do ódio”.

O termo é usado para se referir ao núcleo composto pelos assessores da Presidência Tércio Arnaud Tomaz, José Matheus Sales Gomes e Mateus Matos Diniz — os três também foram convocados pela CPI. Entre as funções que o grupo exerce no governo está a atualização das redes sociais da Presidência da República.

Na audiência, Frota também afirmou que as chamadas “milícias digitais” foram orientadas a atacar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e os ministros do Supremo Tribunal Federal. O parlamentar foi expulso do PSL após tecer uma série de críticas ao presidente Jair Bolsonaro e, depois, filiou-se ao PSDB.

Presente na audiência, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), líder do partido na Câmara, classificou a presença de Alexandre Frota como um “escárnio” e o acusou de propagar uma notícia falsa a respeito de Olavo de Carvalho. Também afirmou que a comissão tem o objetivo de atacar o governo do pai.